2.37 “King Nine Will Not Return” (King Nine não Voltará)

Posted: 17.8.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , 0 comentários

Directed by Buzz Kulik 
Written by Rod Serling


Esse é o primeiro episódio da 2ª temporada de Twilight Zone que é repleta de grandes interpretações e, talvez, os melhores episódios. Abre com um episódio psicológico lidando com a “culpa de sobrevivente”. Quando alguém passa por alguns momentos por uma crise de vida e morte o qual ele sobrevive, ele carrega toda a culpa do acontecimento para si não se perdoando do acontecido.

O bombardeiro King Nine da Segunda Guerra Mundial B-25 Mitchell caiu no deserto. Capitão James Embry se encontra isolado, sozinho exceto pelas ferragens o mistério do que aconteceu com sua tripulação, todos desaparecidos. O movimento do avião no vento e suas visões dos homens perdidos servem para aumentar a desorientação de Embry.

Embry encontra o túmulo de um dos tripulantes e vê, no céu, um jato F9F da marinha, impossivel para a época. Sofre um colapso, e descobrimos que ele está tendo alucinações de um leito hospitalar, 17 anos depois do acidente.

Confiante que Embry irá se recobrar, dois doutores discutem se todo o sofrimento de Embry vêm de uma manchete de jornal. O jornal noticia a descoberta do já há muito tempo perdido King Nine, que não retornou á base numa missão durante a guerra. Embry foi substituído por causa de uma febre antes de embarcar no avião, no seu lugar outro capitão comandou a frota. A visão de Embry da manchete fez instalar a “culpa de sobrevivente”, no qual, devemos entender, que ele se imaginou no lugar da queda.

Os médicos confortam Embry afirmando que ele voltou apenas pro local na sua mente. Uma enfermeira, cuidando das roupas do paciente, descobre ao fim do episódio que os sapatos estão com punhados de areia dentro.


.curiosidades: O avião usado no episódio ainda existe e está guardado na California.
.Essa estória é baseada num fato real. O bombardeiro B-24 Liberator Lady Be Good e sua tripulação caiu no deserto da Libia. No episódio, a marca no túmulo está datada “ 5 Apr, 1943”, o dia que Lady Be Good se perdeu.

.Thiago Manzo


Keep Reading...

1.36 “A World of His Own” (Um Mundo Só Seu)

Posted: 6.4.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , , 0 comentários
Directed by Ralph Nelson
Written by Richard Matheson

Último episodio da temporada, sendo o tema central exatamente a questão criativa e principal de Twilight Zone, a dramaturgia.
Voltando para casa, Victoria West, vê seu marido, Gregory West, pela janela tomando um drink com Mary, uma loura atraente. Quando Victoria invade a sala, Mary não se encontra.

Gregory explica para sua mulher que qualquer coisa que ele descreva no seu gravador, ele pode fazer aquilo se materializar no real e aparecer no estúdio. Para desaparecer, tudo que ele precisa é jogar a fita no fogo. Ele demonstra isso, primeiro com Mary e depois com um elefante no corredor. Gregory descobri esse talento quando um personagem que ele se doou o bastante para criar se aproximou dele, como uma pessoa de carne e osso, apertou sua mão e agradeceu ele.

Sem acreditar em nada disso (apesar de ver o elefante com os próprios olhos), Victoria diz que ele está maluco e que vai internar ele. Em resposta, Gregory pega uma fita do cofre e explica que contêm a descrição dela. Victoria pega a fita dele e joga no fogo para provar que ele está insano - e imediatamente começa a se sentir tonta. “Você, você estava dizendo a verdade?! Você estava certo!” ela grita, e desaparece. Em comoção, Gregory corre para o gravador e começa a re-descrever Victoria - mas reconsidera, e no lugar, descreve Mrs. Mary West. Mary reaparece e mistura pro marido um drink.

Serling ao fim aparece fazendo uma gag final, “Esperamos que tenham gostado da história romântica dessa noite. Ao mesmo tempo, queremos que saiba que, é claro, puramente ficcional. Na vida real, Esse absurdo nunca-”

“Rod, não!” interrompe Gregory, que caminha para o cofre e tira uma fita escrito “Rod Serling”. “Você não deveria dizer coisas como absurdo e ridículo!” ele continua enquanto joga a fota no fogo.

“Bom, é assim que as coisas são,” responde Serling, num tom resignado enquanto desaparece.

.curiosidades: O único episodio na primeira temporada que Rod Serling aparece falando na tela quebrando a quarta parede (numa rara cena de humor). De agora em diante, ele aparece em todos os episódios.

.Thiago Manzo
Keep Reading...

1.35 “The Mighty Casey” (O Poderoso Casey)

Posted: 29.3.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , 0 comentários

Directed by Robert Parrish and Alvin Ganzer
Written by Rod Serling

“Mouth” Mcgarry, é o técnico de um time de baseball falido que anda mal das pernas dentro do campo, permite que um robô chamado Casey jogue no time. Casey têm a habilidade de lançar bolas super rápidas que não podem ser acertadas. Eventualmente, Casey é acertado por uma bola e passa por um exame físico, a Liga Nacional descobre e regula que Casey deve ser retirado da equipe por não ser humano.

O inventor de Casey, Dr, Stillman, Dá a ele um coração ‘artificial’ para ser classificado como humano. Agora que Casey tem emoções humanas, ele recusa lançar suas bolas rápidas o bastante. Ele argumenta que sente empatia com o batedor não quer arruinar a carreira dele com um strike. Com o time certamente fechando em breve, Dr. Stillman dá a Mcgarry ‘blueprints’ de Casey como souvenir. Olhando para os planos de fabricação, Mcgarry têm uma brilhante idéia, enquanto ele o cientista resolvem criar um inteiro time de robôs “Casey”...

.curiosidades:
Filmado numa versão do estádio do Wrigley Field, sempre usada para filmes.

.Thiago Manzo
Keep Reading...

1.34 “The After Hours” (Hora Extra)

Posted: 28.3.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , , , 1 comentários
Directed by Douglas Heyes
Written by Rod Serling

Marsha White, uma mulher procurando um presente para sua mãe numa loja de departamentos, decide em levar um bracelete de ouro. Ela é levada pelo ascensorista ao 9º andar, um andar existente além daquele mostrado no elevador. Ela entra no andar, e se vira para reclamar que não há nada lá, mas a porta se fecha deixando ela para perseguir sua realidade. Ela é abordada por uma vendedora que a guia para o único item no andar - um bracelete de ouro que ela deseja. Durante a transação, Ela fica intrigada pelos comentário e ações de ambos, o ascensorista, e a mulher que vende o bracelete. Enquanto Marsha desce pelo elevador vindo do 9º andar, ela percebe que o bracelete está dentado e marcado; ela é dirigida pelo ascensorista para ir ao departamento de reclamações no 3º andar.

Quando ela tenta convencer Sr. Armbruster, o supervisor de vendas, e Sr. Sloan, o gerente da loja, que ela comprou o item no 9º andar, eles dizem que não existe. Marsha fica perplexa depois ver a vendedora que a atendeu e descobrir que não é uma vendedora; ela é uma dos manequins em exibição na loja de departamentos. Enquanto descansa numa sala seguindo sua descoberta assustadora, Marsha se encontra acidentalmente presa dentro da agora fechada loja. Ela tenta achar uma saída, e fica alarmada por vozes misteriosas a chamando e alguns movimentos sutis feito pelos supostos manequins sem vida á sua volta. Se movendo sem direção, ela derruba o manequim marinheiro, que era de alguma forma o ascensorista frustrado do elevador.

Histérica, ela corre de volta para o elevador, que mais uma vez á transporta para o 9º andar, desocupado. Lá, ela gradualmente percebe que os manequins voltaram a vida, um por um, e que ela também, é um manequim. Ela descobre que cada um em turno tem a oportunidade de sair para o mundo e viver entre os humanos por um mês, mas Marsha gostou de sua estadia entre “os outros” tanto que antes do dia do seu retorno, quando era para ela reverter ao seu eu original, ela perdeu sua identidade; ela esqueceu sua verdadeira natureza. Estar com os outros manequins, percebendo que está de volta ao seu lugar natural, permite que o próximo na fila - a mulher vendedora do bracelete - possa sair e viver entre os humanos por trinta dias. Enquanto os outros manequins observam a vendedora sair, o marinheiro, sozinho com Marsha, pergunta se ela se divertiu entre os humanos. “Sempre foi muito bom, sempre foi muito bom.” Assim, Marsha relembra com carinho sua breve aventura com os humanos e com uma expressão passageira de arrependimento, confusão, e um alívio, ela e o marinheiro assumem suas posturas naturais de manequim, crescem á rigidez e se tornam estátuas.

O dia seguinte o hiperativo supervisor, Sr. Armbruster, está fazendo sua energética ronda matinal nos andares de venda e olha duas vezes para um manequim levemente familiar em exposição. A cena final em close de um manequim, Marsha White, de seu rosto com uma transição para as estrelas.

.curiosidades:
Na The Twilight Zone Tower of Terror na Disney existe um expositor de vidro com um bracelete de ouro e um cartão que diz, “Procurando por um presente para sua mãe? Ache na nossa loja de presentes!” Uma referência á esse episódio.

.Thiago Manzo
Keep Reading...

1.33 “Mr. Bevis”

Posted: 10.3.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , 0 comentários
Directed by William Asher
Written by Rod Serling

A vida de um simpático camarada é virada de cabeça pra baixo quando ele começa a receber ‘ajuda’ do seu anjo da guarda.

Mr. Bevis perde seu trabalho, ganha multa no carro e é despejado do apartamento, tudo em um dia. Pouco problema é bobagem. Bevis então conhece seu anjo da guarda j. Hardy Hempstead, que o ajuda. Bevis começa o dia de novo, exceto que agora ele é um sucesso no trabalho, seu aluguel está pago, e seu carro agora é um esportivo em vez do antigo Rickenbaker 1924.

Entretanto, para ter sua nova vida, Bevis precisa fazer novas mudanças: Não ter mais roupas estranhas, nem ouvir música alta, nem ser o bobo da corte do bairro que todos amam. Percebendo que todas essas coisas são o que fazem ele feliz, Bevis pede para que tudo volte como era antes. Hempstead aceita, inicialmente avisando que ele ainda não tem trabalho, carro ou apartamento - mas, talvez, movido pela sua bondade e o calor humano que as pessoas tem por ele, faz com que Bevis tenha seu carro de volta.

Na cena final do episódio, Bevis está tomando seu sexto copo de whisky. Ele sai do bar, onde seu Rickenbacker estava estacionado na frente de um hidrante. Quando Bevis vai tomar uma multa, o hidrante desaparece, e reaparece próximo da moto do policil. Seu anjo da guarda ainda está com ele.

Como é difícil para certas pessoas fazer mudanças, o medo de mudar é grande e aceitar o que vêm, mas também não é possível mudar quem somos. Esse episódio exprime de uma forma humorada, o que muitos nos sentimos. O quanto eu preciso mudar para deixar de ser eu mesmo?

.Curiosidades: Um garoto está empurrando o carro do Bevis. Quando ele começa o movimento ele olha para a câmera para ter a deixa.
. Mr. Hempstead num dado momento diz que ele é o motivo de Ben Hur ter ganho a corrida de bigas. No final, Bevis dirige e no fundo há um cinema escrito “Próxima atração - Ben Hur”.

.Thiago Manzo
Keep Reading...

1.32 “A Passage for Trumpet” (Abram Alas para o Trompete)

Posted: 28.2.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , , , , , 0 comentários
Written by: Rod Serling
Directed by: Don Medford

Com uma abertura livremente adaptado de The Lost Weekend de Billy Wilder, com o diálogo poético gritante - apenas com um tocador de trompete em vez de um escritor - A Passage for Trumpet tem Jack Klugman, o melhor ator que já trabalhou na série - e iria atuar quatro vezes - interpretando um tocador de trompete e um bêbado, um ’perdedor urbano’ como Marc Scott Zicree o chamava, um arquétipo que Klugman acabaria retornando num outro episódio. (Vide, A Game of Pool.) Lindamente escrito e executado, é talvez o melhor episódio da primeira temporada até agora.  Sem uma narrativa nada mais do que sobrenatural ou cientifica do que It’s A Wonderful Life, sua história sobre o valor da vida pode não ser tão eficiente e devastadora como o clássico de Capra, mas para meia-hora na TV chega o mais próximo do objetivo que devia. Realmente, o maior erro do episódio é ser muito curto para o que pretende; George Clemens, responsável pelo tom artístico noir, disse que enquanto filmavam tentavam convencer os produtores de transformar o episodio em uma hora, sem sucesso. Mesmo assim, é uma obra-prima.

Klugman não consegue um emprego porque está sempre bêbado e escorregando nas notas com a suas linhas inebriadas e atonais. Porque ele jogou sua vida fora por ‘um broto ruim?’, um colega lhe pergunta. ‘Porque estou triste,’ Klugman diz isso num sorriso afetado, numa das frases mais bem ditas que já ouvi. Penhorando o trompete e se detestando, Klugman resolve se jogar em frente de um caminhão. Ele acorda horas mais tarde, como um bêbado ordinário, como um homem invisível, acreditando ser um fantasma e notando que o suicídio foi o único sucesso que teve em anos. Na realidade, ele está preso em um limbo entre o real e o sombrio; ele vai para o beco atrás do antigo clube de jazz para entrar no ritmo quando ele ouve um blues saindo de metal tocando próximo. Ao inspecionar, o instrumentista é o Arcanjo Gabriel, que se intitula “Gabe” e que ele sabe alguma coisa sobre trompetes; normalmente, ouvir Gabriel tocar seu trompete não é um bom sinal, mas ele não está aqui para começar o Apocalipse, apenas para ajudar Klugman para se lembrar dos grandes aspectos da vida, e dar á ele a chance de viver novamente, com um aviso para não deixar seu talento se perder. “Até que a Morte os separe!”
Klugman entusiasmado responde. A seqüência inteira é sólida e linear, ele percebe todas as maravilhas que a vida tem para oferecer - filmes, amigos linda música - é até bem rápido pra alguém que cinco minutos atrás estava convicto em morrer. Assumir isso e a narrativa é pouco inspirante e parada, parece mesmo que merecia sessenta minutos.

Mas Abram alas para o Trompete varre o resultado e balanceia com uma linda e simples cena está no topo de um prédio tocando seu blues e acaba conhecendo uma garota que é nova na cidade. Acalentador sem ser cafona, Abram alas para o trompete tem uma mensagem até para aqueles que não estão tão distantes de se jogar na frente de um carro; como Serling nota na narração final, “[vida] pode ser rica e recompensadora e cheia de beleza... Se uma pessoa apenas parar e escutar.” É um sentimento difícil, em filme, de ser convincente, mas ‘Abram alas’ consegue, graças á grande parte ao talento e interpretação cheia de nuances de Klugman. Enquanto Klugman vagueia no limbo, Gabriel diz que quem não o vê, são os fantasmas, os mortos-vivos, sugerindo que, salvo alguns, a maioria de nos estão cegos na nossa miséria complacente, incapaz de reconhecer a beleza á nossa volta. Abram alas para o trompete nos encoraja a parar, cheirar as rosas e viver um pouco; então toque alguma musica, se apaixone. A vida pode ser assim, se você parar e reparar.

.curiosidades: No limbo, Joey não deveria ter reflexos. Mas se vê duas vezes, um no espelho e outro numa jukebox em que ele se encosta.

. Jon Stewart
Keep Reading...

1.31 “The Chaser”(O Antídoto)

Posted: 6.2.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , , 1 comentários

Directed by Douglas Heyes
Written by Robert Presnell, Jr., baseado na história "The Chaser" by John Henry Collier, primeiro apresentado(sobre o título de “Dueto para Dois Atores“) como um episódio de The Billy Rose Show em Fevereiro, 1951.

Roger Shackleforth está desesperadamente apaixonado por Leila. Ele visita um velho professor (Professor Daemon) pedindo ajuda em como conseguir ela. O professor, depois de alguma resistência, vende á Roger uma poção do amor barata ($1.00). Depois de administrado, Leila se apaixona perdidamente por Roger, mas logo, o amor dela se torna sufocante. Roger retorna ao professor para comprar “o removedor”, uma poção bem cara, $1000, que é tudo que Roger possui, e o Professor Daemon sabe disso. A poção é inodora, insípida, e incolor, só pode ser usada uma vez, antes do usuário perder a razão. Depois de partir, o professor pensa alto, “Primeiro, o veneno, depois, o antídoto.”

Quando ele chega em casa, Roger prepara uma taça de champagne com a nova poção. Assim que vai dar Leila a taça, ela revela que está grávida, que choca Roger e deixa cair a taça. Ele admite a si mesmo que não poderia fazer isso de qualquer maneira. No seu terraço, um triunfante Professor Daemon está relaxando fumando um charuto. Anéis de fumaça são soltos em forma de corações... Professor Daemon, quem diria, é um romântico.

.curiosidades: Esse episódio foi refeito em 1991 na série Contos da Cripta, uma série de horror adulto.

.Thiago Manzo
Keep Reading...

1.30 “A Stop at Willoughby” (Uma Parada em Willoughby)

Posted: 5.2.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , , 1 comentários

Directed by Robert Parrish
Written by Rod Serling

Gart Williams é um executivo Nova-iorquino extressado com a sua carreira. Seu chefe mandão, Oliver Misrell, enfurecido pela perda de uma grande conta, dá um sermão sobre esse ser um negócio de “empurrar, empurrar, empurrar”. incapaz de dormir direito em sua casa, ele acaba cochilando no trem durante a sua viagem diária pela neve de Novembro.

Ele acorda e descobre que o trem virou uma Maria fumaça de 1880, vazia exceto por ele mesmo. O sol brilha forte lá fora e enquanto ele observa pela janela, ele descobre que o trem está em Willoughby e que é julho de 1888. Ele descobre que esse é “ um lugar tranqüilo, pacifico onde um homem pode desacelerar e viver sua vida em total medida.” Sendo acordado para o mundo real, ele pergunta ao condutor sobre Willoughby, mas o condutor responde que não existe essa cidade em nenhum itinerário e nunca ouve.

Naquela noite, ele tem mais uma discussão com sua mulher, Jane. Egoísta, fria e sem modos, ela faz ele perceber que ele é apenas uma máquina de cuspir dinheiro para ela. Ele conta sobre seu sonho e sobre Willoughby, apenas para ser ridicularizado em “ter nascido muito tarde”, declarando seu “erro miserável” em ter casado com um homem “que o maior sonho é ser Huckeberry Finn.”

Na semana seguinte, Williams novamente vagueia nos sonhos por Willoughby. Quando ele vai sair do trem e experimentar tudo de novo, o trem engata e trás ele de volta ao presente. Williams promete a si mesmo que vai saltar na próxima vez. Experimentando um ataque de nervos no trabalho, ele liga para sua mulher que quando mais precisava, ela desliga. Novamente, voltando pra casa, ele adormece. Dessa vez, o condutor o recebe calorosamente para a porta do trem e ele larga sua maleta.

Saindo do trem, ele é recebido por vários habitantes, que recebem ele pelo nome, planejando ficar e participar daquela vida idílica. Numa transição de câmera com fade-out vemos o pendulo de um relógio de uma estação para a lanterna bruxuleante de um maquinista, sobre o corpo de Williams. O condutor explica que Williams “gritou algo sobre Willoughby”, antes mesmo de saltar do trem em movimento e morrer imediatamente. O corpo de Williams é carregado pra dentro do vagão de carga e posto dentro de um caixão. Do lado está escrito “Casa funerária Willoughby & filhos.”

.curiosidades: O filme da TV “For All Time” de 2000 foi baseado nesse episódio.

.Thiago Manzo
Keep Reading...

1.29 “Nightmare as a Child” (Pesadelo na forma de uma criança)

Posted: 31.1.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , , 0 comentários
Directed by Alvin Ganzer
Written by Rod Serling

A professora Helen Foley (brilhantemente interpretada pela atriz Janice Rule) encontra uma séria e estranha garotinha chamada Markie (Terry Burnham, que põe a Dakota Fanning no chinelo) nas escadas da frente do seu apartamento. Apesar de sua aparência estóica, ela está murmurando uma canção de ninar. A garotinha parece conhecer ela e tenta forçar a memória dela sobre um homem que ela viu mais cedo naquele dia.

O homem chega na porta de Helen e Markie foge pelo fundo. O homem é Peter Selden, que trabalhou para a mão dela quando ela era apenas uma criança, e afirma ser a primeira pessoa a encontrar o corpo assassinado da mãe. Helen testemunhou o crime, mas bloqueou da sua mente. Quando ela menciona Markie, Selden diz que esse era o apelido dela mais jovem e mostra uma foto para ela. Ela percebe que a menina e ela são as mesmas pessoas.

Quando Selden saí, Markie reaparece. Ela confessa que elas são a mesma pessoa, e ela está ali para fazer ela se lembrar do dia do assassinato. Selden returna e confessa o crime. Ele tem medo que ela pode se lembrar e decide matar ela. Ela corre para o corredor e empurra Selden para a morte dele. Depois de falar com a policia, Helen ouve uma garotinha cantando. Ela diz á garotinha que têm um lindo sorriso... E aconselha nunca perde-lo.

.curiosidades: O ator que interpreta Selden (Shepperd Strudwick) fez Edgar Allan Poe num filme sobre a vida dele chamado The Loves of Edgar Allan Poe(1942).

.Thiago Manzo
Keep Reading...

1.28 “A Nice Place To Visit” (Um Bom Lugar para Visitar)

Posted: 29.1.11 | Postado por Thiago Manzo | Marcadores: , , 0 comentários
Directed by John Brahm
Written by Charles Beaumont

Um episódio difícil de ser executado na época por pressões de produção e da temática crua do personagem principal. O nome vêm da frase em Inglês “A Nice place to visit, but I wouldn’t want to live there.” (Um bom lugar para visitar, mas não gostaria de ali morar.)
Henry “Rocky” Valentine está roubando uma loja de penhores. Ele atira num vigia, em um policial, mas é acertado por outro policial enquanto foge.

Ela acorda apenas para descobrir que saiu ileso do encontro. Ele está na companhia de um indivíduo simpático chamado “Pip” que diz á Rocky que ele é seu guia e foi instruído para realizar quaisquer desejos que ele quiser. Rocky é desconfiado, sem nunca tem recebido nada na vida de graça, ele acredita que Pip está querendo enganá-lo, “Você é um tira?”, ao ser indagado, Pip procede citando informações pessoais sobre os gostos e hobbies de Rocky de um caderno de anotações. Irritado pelas informações, ele demanda que devolva sua carteira. Pip caridosamente dá uma quantia enorme de dinheiro para Rocky e está disposto a entregar mais. Por sua vez, Rocky crê que ele quer que ele faça algum roubo ou algo do tipo e o dinheiro é um incentivo. Apontando uma arma com receio, ele segue o novo companheiro até um apartamento de luxo que Pip diz ser de Rocky agora.

 Exigindo saber o que ele deve fazer pra ter todo esse luxo, cético até o fim, ele descobre que é tudo de graça. Rocky começa a relaxar até a hora da refeição, ele suspeita que está envenenada e atira em Pip. As balas ricocheteiam e Rocky percebe que ele está morto, foi para o céu e acha que Pip é seu anjo da guarda. Pip responde, “Sim, algo desse tipo.”

Rocky resolve aproveitar e vai para um casino, onde ganha os jogos e se diverte com várias ‘gatinhas’, de volta ao apartamento, ele pede para ver um dos seus antigos amigos que já faleceram também e Pip diz que é impossível, pois, aqui é “seu mundo privado” e nenhuma pessoa aqui é real exceto pelos dois. Rocky se pergunta porque foi para o céu. “Eu devo ter feito algo bom que serviu para todas as outras coisas. Mas o que? O que eu fiz que foi tão bom assim?” Então Pip leva ele para a “sala de recordações”, mas apenas contem uma lista de todos seus pecados. Rocky está intrigado mas decide que se Deus está bem assim, ele também está.

Depois de um mês, ele se torna tão cansado por estar sempre satisfeito e nunca ter um desafio, ele diz para Pip, “Se eu ficar mais um dia aqui, eu vou surtar! Eu não pertenço no Paraíso. Eu quero ir para o outro lugar.” Pip retruca, “Paraíso, Sr. Valentine? O que foi que te deu essa idéia que estava no Paraíso? Este é ‘o outro lugar’!!” Pip começa a sorrir enquanto Rocky foge horrorizado tentanto escapar do Paraíso.

.curiosidades: O episódio mais difícil de ter sido feito na primeira temporada, tem um conteúdo sexual implícito muito forte na época. O guia de programação da época pediu que o texto fosse mudado de “Uma gata... Bem preenchida...” para algo mais sutil apesar da crueza do personagem.
.Numa seguência, uma das meninas pergunta: “Existe mais alguma coisa que eu possa fazer?” CBS pediu que ela falasse essa linha com intenções claras que fosse dito numa forma doce.
.Ao referir uma festa sendo uma “Ball”, uma palavra com duplo significado, CBS pediu que fosse retirado do texto.

.Thiago Manzo
Keep Reading...